< This page in English >
 

Bro. Marcus H. Martins

Reflexões de um "Ex-Bispo" *
Coisas que aprendi fazendo, ou tentando fazer, ou vendo os outros fazerem

por Marcus H. Martins (2005)

Leitura opcional para o curso
REL 480 - Organização e Liderança na Igreja

Sobre Inspiração e Aconselhamento

1) Um bispo deve ter fé, confiança e segurança absoluta de que Deus falará com ele. Mas o "preço" por esse "telefonema celestial" é pago com o cérebro, os ouvidos, o coração e os joelhos do bispo.

2) Um Bispo deve usar seus joelhos, seu coração, seus ouvidos e seu cérebro. Mas ele não deve deixar o cérebro ter precedência sobre os ouvidos, o coração e os joelhos.

3) Por mais importantes que sejam ponderar e orar, chega um momento em que é necessária uma ação. Quando chegar a hora, um bispo deve agir. Se o bispo fez o "dever de casa", não precisa temer a possibilidade de um erro. Sempre que o Senhor tem algo específico em sua mente que deseja que o Bispo faça, ele o inspirará na direção certa. Se nada parecer vir por meio de revelação direta, o bispo pode encontrar conforto na ideia de que o Senhor já o terá abençoado com conhecimento e sabedoria suficientes para chegar a uma decisão que será satisfatória na opinião do Senhor.

4) Ainda assim, nem tudo que um bispo pensa será uma ideia inspirada. Às vezes, o que o bispo sente ou pensa é apenas "um tema a ser ponderado" através uma discussão mais detalhada e frutífera com seus conselheiros e com o Conselho da Ala--aonde o bispo utilizará o seus ouvidos.

5) Ocasionalmente, os ensinamentos e ações de um bispo podem ser mal interpretados, e outras vezes ele pode falar mal ou agir impulsivamente em um momento de estresse--o que trará fortes críticas contra ele. Peça desculpas profusamente quando necessário e perdoe, perdoe, perdoe e siga em frente. O bispo provavelmente não será capaz de esquecer completamente (desculpe ... ainda somos humanos), mas sob a influência do poder do Espírito Santo, eventualmente, ele será capaz de sentir uma medida infinitesimal do amor do Salvador Jesus Cristo para com aqueles críticos. Com o tempo, ao perceberem que o bispo não está "retaliando", mas sim estendendo amor para eles, eles também sentirão esse mesmo amor cristão para com o bispo. Dê tempo ao tempo.
5a) Não tente responder "de bate pronto" com Doutrina e Convênios 121:16. Essa injunção divina serve apenas para casos em que o bispo "... não [pecou] perante mim, diz o Senhor, mas [fez] o que era agradável a meus olhos e que eu [lhe] ordenara."

Presidente Harold B. Lee
Teachings of Presidents of the Church--Harold B. Lee, capítulo 6

Estejam preparados para dizer com humildade, como Paulo: "Senhor, que queres que eu faça"? (Atos 9:6) E com coragem e destemor, afirmar como Samuel: "Fala, Senhor, porque o teu servo ouve". (1 Samuel 3:9) Sejam humildes, orem sempre, e o Senhor os conduzirá pela mão e dará resposta a tuas orações. (D&C 112:10).

O Presidente [David O.] McKay ensinou-nos o seguinte no templo certa vez: "Gostaria de dizer-lhes algo: Quando o Senhor lhes mostrar o que devem fazer, vocês precisam ter coragem para obedecer ou então é melhor nem fazer outras perguntas no futuro". Também aprendi essa lição. Às vezes, acordo no meio da noite e não consigo mais dormir até levantar e colocar no papel o que está me incomodando. Mas é preciso muita coragem para agir conforme a resposta às orações. 

Presidente David O. McKay
Citado por Élder Harold B. Lee - Discurso para Professores do Seminário e Instituto, Brigham Young University, 6 Julho 1956

[Presidente David O. McKay declarou] que, quando estamos relaxados em uma sala privada, somos mais suscetíveis a essas coisas; e que, no que lhe diz respeito, seus melhores pensamentos surgem depois que ele se levanta de manhã e está relaxado e pensando sobre os deveres do dia; que as impressões vêm mais claramente, como se fossem uma voz. Essas impressões são certas.

Se estamos preocupados com algo e perturbados em nossos sentimentos, a inspiração não vem.

Se vivermos de modo que nossas mentes estejam livres de preocupações e nossa consciência esteja limpa e nossos sentimentos corretos uns com os outros, a operação do Espírito do Senhor sobre nosso espírito é tão real como quando pegamos o telefone; mas quando elas vierem, devemos ser corajosos o suficiente para realizar as ações sugeridas. O Senhor irá aprovar e os Irmãos irão aprovar, e sabemos que é certo. [Presidente McKay] disse: é um grande consolo neste mundo perturbado saber que nosso Salvador está dirigindo esta obra.


Sobre o Relacionamento com os Conselheiros, o Presidente da Estaca e os outros Bispos

6) Um bispo deve deixar seus dois conselheiros trabalharem e deve conceder-lhes "espaço" para pensar, agir e aconselhar o bispo. O Senhor também falará com eles, para que possam dar conselhos sábios ao bispo--o que permitirá que o bispo seja mais sábio do que seus próprios anos. Os conselheiros devem ter permissão para crescer em seus chamados, para que um dia eles se tornem excelentes bispos por seus próprios méritos. Considere as palavras da revelação: "... agora [crie a condição pela qual; facilite; permita que] todo homem aprenda seu dever e a agir no ofício para o qual for designado com toda diligência." (Doutrina e Convênios 107: 99; colchetes adicionados com definições de dicionário do verbo "Let" no original em inglês -- "let every man ...")

7) Depois do Senhor e dos conselheiros no bispado, o presidente da estaca é a próxima fonte de conselhos sábios e boas ideias para o bispo. Grandes bênçãos acontecerão nas vidas dos membros da ala se o bispo e o presidente da estaca tiverem um relacionamento marcado pelo respeito mútuo, verdadeira fraternidade e aconselhamento sábio.

8) Passe tanto tempo com a Presidente da Sociedade de Socorro quanto com o Presidente do Quórum de Élderes. O bispo terá muita sabedoria ao aprender o que está no coração e na mente das mulheres de uma ala.

9) Faça bom uso do telefone ou e-mail. Quando se trata de resolver questões que requerem recursos temporais, muitas vezes bons recursos serão conhecidos por outro Bispo em outro bairro: professores de matemática e leitura, guinchos, encanadores, consultores financeiros, carpinteiros, etc.

Sobre o Relacionamento com os Membros

10) Um bispo é um amigo, mas não deve ser um "parceiro". Um tanto semelhante à maneira pela qual o Salvador se manteve acessível, mas "à parte" (ver Talmage, Jesus o Cristo, aprox. página 356), um bispo também deve garantir que a dignidade de seu sagrado ofício seja mantida enquanto ele interage socialmente com os membros da ala--especialmente com os jovens e adultos solteiros.

11) O bispo é o professor número 1 em uma ala e deve ensinar os membros regularmente, lembrando aos membros quais convênios eles fizeram e quais foram os termos desses convênios (Livro de Mórmon, Enos 1:22-23) .

12) O processo disciplinar costuma ser doloroso. Um bispo deve se lembrar que ele é o representante do Senhor, mas não é o Senhor. Um Bispo não pode "perdoar" pecados, nem pode punir ninguém. Tudo o que o bispo pode fazer é usar as chaves do Sacerdócio Aarônico e ensinar a doutrina do arrependimento e do batismo / sacramento, que instilará nas pessoas o desejo de se arrepender e ser aperfeiçoado em Cristo (lembre do povo do rei Benjamim--Livro de Mórmon, Mosias 5:2-6). Pecados não arrependidos--não o processo disciplinar--podem destruir a vida e o futuro de uma pessoa. Quando administrado adequadamente, o processo disciplinar trará cura e salvará uma alma.

13) Por mais que a esposa do bispo possa influenciar a vida de muitos membros da ala, ela deve manter uma certa "distância" de certas questões e de assuntos confidenciais. Problemas sérios surgirão se a esposa de um bispo for vista como uma "terceira conselheira no bispado".

14) Quando chegar o momento de sua desobrigação, o bispo deve preparar os membros da ala--especialmente os membros do Conselho da Ala--para sua desobrigação. Para muitos dos membros, esta será uma experiência muito instrutiva. Especificamente, o bispo pode mostrar que a ala continua a funcionar normalmente--com novas desobrigações e chamados, entrevistas, reuniões de conselho, etc.--até seu último dia de mandato.

15) Após sua desobrigação, um ex-bispo dará uma de suas lições mais memoráveis ​​e poderosas sobre liderança apoiando seu sucessor--especificamente: (a) continuando ativo na ala ou estaca em qualquer novo chamado que receba; (b) abstendo-se de se intrometer na vida das pessoas, incluindo aquelas que ainda virão buscar conselho por sentir familiaridade com seu ex-bispo; e (c) não dando opiniões ao novo Bispo. (Eu sei, eu sei ... mas muito provavelmente você não é o meu bispo.)


Para aqueles que realmente quiserem saber onde aprendi essas coisas ...

Biografia Eclesiástica do Imão Martins
 
Presidente de Missão:
  • Missão Brasil São Paulo Norte (2011-2014)
Bispo:
  • Ala Tijuca, Estaca Rio de Janeiro Brasil Andaraí  (1987-1990)
  • Ala BYU-Hawaii 7, Estaca BYU-Hawaii 1  (2001-2004)

Secretário Executivo:

  • Estaca Brasília Brasil Alvorada  (1982-1983)
  • Ala Tijuca, Estaca Rio de Janeiro Brasil Andaraí  (1986-1987)
Sumo Conselheiro de Estaca:
  • Estaca Rio de Janeiro Brasil Andaraí  (1981-1982)
  • Estaca Rio de Janeiro Brasil  (1986-1987)
  • Estaca Brigham Young University 6  (1991-1994)
  • Estaca Rexburg Idaho Centro  (1997-1999)
  • Estaca BYU-Hawaii 1  (2000-2001)
  • Estaca Laie Hawaii Norte (2009-2011; 2015-2017)

Conselheiro de Ramo (durante missão de tempo integral):

  • Ramo de Marília, Distrito Araçatuba Brasil  (1978)
  • Ramo de Ubatuba, Distrito Taubaté Brasil  (1979)
Líder de Grupo de Sumo Sacerdotes:
  • Ala Tijuca, Estaca Rio de Janeiro Brasil Andaraí  (1984-1985)

Líder da Missão da Ala:

  • Ala Engenho de Dentro, Estaca Rio de Janeiro Brasil  (1985-1986)
  • Ala Rexburg 16, Estaca Rexburg Idaho Leste  (1999-2000)

Copyright © 2005-2021 - Marcus H. Martins
Esta página foi publicada apenas como um auxlio para discussão em sala de aula.
Para mais informações entre em contato com
 Dr. Marcus Martins at: martinsm@byuh.edu